Mulher afirma ser filha de Rita Cadillac e entra na Justiça pelo reconhecimento

Read Time:1 Minute, 29 Second

Uma mulher de 50 anos, que atualmente reside em Portugal, está reivindicando o reconhecimento legal como filha da famosa dançarina brasileira Rita Cadillac. Roberta Freitas, a autora da ação judicial, declarou que sua mãe adotiva sempre mencionava que a ex-chacrete era sua tia, mas revelou mais tarde que Rita seria, na verdade, sua mãe biológica.

De acordo com Roberta, as suspeitas surgiram ainda na infância, com os comentários de sua mãe adotiva, mas só agora ela decidiu buscar a verdade oficialmente. “Minha mãe adotiva sempre disse que a Rita Cadillac era minha tia, mas depois ela confessou que, na verdade, a Rita era minha mãe biológica”, afirmou Roberta.

Rita Cadillac, hoje com 70 anos, refutou a alegação, dizendo que é impossível ela ser mãe de Roberta. A ex-chacrete destacou que, se tivesse engravidado no auge de sua carreira, a notícia teria se espalhado rapidamente, dada a sua exposição midiática na época. “Se eu tivesse ficado grávida naquela época, todo mundo saberia. É impossível isso ser verdade”, afirmou Rita com firmeza.

Apesar da negação, Rita se mostrou disposta a realizar um teste de DNA para esclarecer a situação. Demonstrando indignação, a dançarina se comprometeu a resolver a questão de uma vez por todas. “Estou indignada com essa situação, mas topo fazer o teste de DNA para provar que isso não passa de um mal-entendido”, declarou.

O caso está causando alvoroço, uma vez que histórias desse tipo são mais comuns em contextos envolvendo homens famosos, e não mulheres. “Geralmente a gente vê esse tipo de história com os homens, mas vamos ver no que vai dar isso”, comentou um observador.

Agora, resta aguardar o desenrolar do processo judicial e os resultados do teste de DNA para determinar se Roberta Freitas é realmente filha de Rita Cadillac.

Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleepy
Sleepy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %
Previous post “Nós, mulheres, precisamos ocupar os espaços onde nossas vidas são decididas”, disse a deputada federal Jandira Feghali durante a Caravana no Rio